Queda de Cabelo pós-COVID: será que existe uma ligação?

A recuperação de uma infeção por COVID-19 pode impor uma enorme tensão ao corpo. Do sistema respiratório ao próprio coração, os efeitos secundários de combater esta infeção podem ser bastante profundos. Um deles, com alguma surpresa, é a queda de cabelo. Sim, existem muitos casos de queda de cabelo pós-COVID. Logicamente, este tema tem sido debatido na comunidade científica para uma melhor compreensão.

Assim, embora a queda de cabelo possa ser uma trivialidade que muitos de nós encontramos diariamente – e por uma série de razões, incluindo dieta pobre, fatores ambientais ou stress, nenhuma dessas causas se aproxima do que é a queda de cabelo pós-COVID.

Se tiver tido a infeção e perdido quantidades loucas de cabelo por dia, apesar de ter tomado todos os cuidados possíveis, saberá do que estamos a falar. A queda de cabelo pós-COVID não é apenas real, é uma questão preocupante que muitos pacientes recuperados enfrentam.

Mas qual é o raciocínio exato por detrás disso? Como é que um vírus provoca a queda do seu cabelo? É isso que vamos procurar explorar então neste artigo.


Queda de Cabelo pós-COVID: deve a saúde capilar estar preocupada?

Segundo investigadores de universidades dos EUA, México e Suécia, que analisaram dezenas de estudos sobre o assunto envolvendo 48.000 pacientes no total, os cinco sintomas mais comuns da COVID-19 prolongada são fadiga (58%), dor de cabeça (44%), dificuldade em prestar atenção (27%), queda de cabelo (25%) e dificuldade em respirar (24%).

Por outras palavras, estes casos ilustram um efeito associado que se estima ocorrer em 25% dos doentes com COVID-19 persistente (ou prolongado), que é uma condição de saúde que dura semanas ou meses após o início da infeção, e não se manifesta necessariamente com os mesmos sintomas* que afetaram anteriormente a pessoa. (*Existem dezenas de sintomas, tais como cansaço extremo, problemas de memória, dores nas articulações e erupções cutâneas.)


Mas, o que causa então a queda de cabelo pós-COVID?

Agora, enquanto a queda de cabelo pós-COVID não seja um sintoma clássico, a quantidade de casos associados fez com que inúmeras investigações clínicas avançassem em todo o mundo.

Em termos “mais práticos”, embora a queda de cabelo como um efeito secundário tenha acabado de ser notada como um possível efeito secundário COVID, os especialistas sugerem que muitas doenças virais e problemas de saúde crónicos podem, de facto, ter impacto na sua saúde capilar. O stress resultante de qualquer uma destas infeções é a causa número um.

Com o vírus, conhecido por ter um impacto grave nos órgãos vitais do corpo, pode haver um elevado nível de inflamação no organismo, que pode levar a efeitos secundários a longo prazo. A inflamação e a infeção aguda podem interromper o crescimento dos folículos capilares no couro cabeludo e assim empurrar o cabelo para a fase “morta”, fazendo com que se derrame esse cabelo.

Por outro lado, imunidade mais debilitada (visto que o corpo se mantém ocupado a afastar os danos causados pelo vírus), bem como deficiências nutricionais (mais particularmente, uma diminuição dos níveis de Vitamina B12 e Vitamina D) são possíveis motivos de culpa pela queda excessiva de cabelo que muitos enfrentam atualmente como uma sequência pós-COVID.

No entanto, em pesquisas mais profundas e segundo os especialistas, todos estes problemas emocionais e doenças infeciosas ou auto-imunes podem causar efetivamente queda de cabelo exacerbada. Pelo menos um tipo foi identificado, como mais plausível, eflúvio telogénico.


Eflúvio telogénico: será isto o mesmo que uma queda de cabelo normal?

Normalmente, como referido, a queda de cabelo é algo que pode não ser completamente evitado e que acontece a todos. De forma rotineira, uma pessoa pode perder até 100 fios de cabelo por dia, o que pode acontecer devido a múltiplas razões e à composição genética. O stress, a má alimentação, as condições, os produtos capilares que se utilizam, a qualidade da água, etc., bem como a idade, podem levar à queda de cabelo.

Contudo, o que os pacientes da COVID-19 experimentaram é muito diferente e drasticamente intenso.

Assim, uma das “primeiras” quedas de cabelo identificadas num estudo em Nova Iorque, como possível explicação, foi o eflúvio telogénico. Um tipo de queda de cabelo mais intensa.

É uma queda de cabelo que resulta principalmente do stress e da inflamação relacionada, denominada como um início súbito de queda de cabelo – o que significa que isto pode atingir mesmo aqueles que são jovens e saudáveis. (e não com um risco generalizado de queda de cabelo.)

Alguns médicos também classificaram isto como uma espécie de “choque” que o corpo suporta enquanto sofre de febre e sintomas de COVID por um período relativamente longo (14 – 21 dias). Isto pode ser uma razão para que tantas pessoas que tiveram COVID, mais ainda durante a segunda onda tenham registado queda excessiva de cabelo como um efeito secundário preocupante.

Os especialistas sugerem então que o eflúvio telogénico, em comparação com a queda regular de cabelo, pode ser bastante grave. Por assim dizer, se uma pessoa tende a perder até 100 fios de cabelo por dia, a condição alimentada pela inflamação COVID pode fazer com que uma pessoa perca até 300 – 400 fios de cabelo por dia.

Por outro lado, outras pesquisas realizadas sugeriram que o stress físico e emocional desta doença poderiam não só causar eflúvios telogénicos, como também outros tipos de problemas capilares. Isto porque, existiram também doentes com predisposição genética ou doenças auto-imunes, por exemplo, que desenvolveram queda de cabelo pós-COVID sob a forma de círculos.


Mas, existem tratamentos para a queda de cabelo pós-COVID?

Apesar destes cenários e dos diversos estudos, não apontarem com toda a certeza para as causas/efeitos, os especialistas asseguram que qualquer queda de cabelo pós-COVID é um processo reversível. Para isso é importante determinar as causas exatas, avaliar o estado do couro cabeludo, o nível das áreas envolvidas e a gravidade dos sintomas.

Segundo os resultados, existem alternativas sistémicas ou locais nas quais podem ser oferecidos medicamentos para compensar deficiências, bloquear substâncias nocivas e melhorar o estado do couro cabeludo. Como, por exemplo, multivitaminas ou proteínas para construir queratina no cabelo e unhas, medicações e injeções que estimulem o crescimento do cabelo.

É também importante, segundo os estudos, melhorar o estado nutricional das pessoas afetadas, mudar hábitos para reduzir os níveis de stress, melhorar o sono, fazer exercício regularmente e aplicar técnicas de relaxamento.


E será que o cabelo volta a crescer?

Os resultados também foram enfáticos que esta é uma alteração temporária do ciclo de crescimento do cabelo e que dentro de semanas ou alguns meses, o couro cabeludo recupera por si só e o cabelo começa a crescer novamente. No entanto, o melhor é efetuar uma avaliação capilar e perceber qual tratamento específico se houver um atraso no crescimento.


Conclusões: será que existe mesmo uma ligação?

Com efeito, a verdade é que se os 25% de casos não tivessem sido esmiuçados, esta ligação poderia não fazer sentido. Contudo, tudo aponta para que existe efetivamente uma relação causa/efeito. Ainda que, convém fazer a ressalva, como referido, nem todos os estudos consigam explicar cientificamente todos os detalhes da queda de cabelo pós-COVID.

No entanto, para terminar, deixamos uma pequena reflexão que um grupo de investigadores italianos da Universidade Sapienza de Roma (Itália) procurou corroborar para conseguir entender quais são os mecanismos ligados à origem desta condição dermatológica. Eles avançaram três hipóteses:

  • O coronavírus desencadeia uma reação auto-imune contra os folículos capilares, criando um ambiente inflamatório que enfraquece o sistema imunitário.
  • O vírus gera uma reação cruzada envolvendo antigénios (que estimulam a formação de anticorpos) a partir do vírus e do corpo humano.
  • O processo está enraizado no stress psicológico e na deterioração da saúde mental.

Por último, é importante referir que cabe aos especialistas capilares prescrever o tratamento capilar mais indicado para o seu caso.

Isto dependerá, por exemplo, da história de cada paciente e da extensão da queda do cabelo. Se for suave e transitória, a recuperação deve ser espontânea. Mas algumas pessoas podem sofrer perdas mais significativas, o que exigiria tratamento médico.

Por isso, “cada caso é um caso” e só um diagnóstico médico pode determinar se o tratamento é possível. Logo, se esteve infetado com COVID-19, desenvolveu uma maior queda cabelo e ainda não recuperou na totalidade, nada como precaver e conhecer as soluções capilares que existem e avançar para uma avaliação de prevenção.

Nas nossas clínicas, graças aos nossos especialistas, pode usufruir de um excelente acompanhamento personalizado. Afinal, cada caso é um caso. Por isso, merece uma solução adequada!

 

Consulta de Avaliação Capilar

    Está a um passo de mudar a sua vida.

    Marque já a sua Avaliação Capilar Gratuita
    e sem compromisso



    Li e tomei conhecimento da política de privacidade e do direito de informação.

    //